Acesso ao Blog

Pesquisar este blog

Carregando...

sábado, 30 de abril de 2011

Diferenças entre ecossistemas aquáticos e terrestres e principais ecossistemas aquáticos marinhos


 
Principais diferenças entre ecossistemas terrestres e aquáticos
A água tem várias características que tem um profundo efeito nos organismos aquáticos:
A alta densidade permite que partículas e organismos permaneçam suspensos na água, com isso, todo ambiente marinho está envolto por uma comunidade flutuante, o plâncton.
Esta comunidade flutuante possibilitou a evolução de organismos filtradores e possibilitou uma grande dispersão mesmo de organismos sésseis (estágios larvais);
Como os organismos aquáticos estão envoltos pela densa e viscosa água, eles não precisam de estruturas de sustentação como esqueletos e celulose;
Os produtores primários no ambiente aquático estão confinados as camadas superficiais onde existe penetração de luz;
A velocidade do som no ar a 20oC é 346 m/seg. enquanto que na mesma temperatura, na água do mar é 1,518 m/seg. (animais aquáticos usam o som para monitorar seus movimentos, procurar comida, escapar de predadores, etc. compensando desta forma a limitada visão no ambiente aquático);
A água contém uma grande quantidade de matéria orgânica dissolvida (MOD), que é fonte energética alimentar.
O meio aquático permite que tanto o gameta masculino como o feminino sejam móveis, possibilitando uma fecundação externa. Não existe polinizadores.
No ambiente aquático, a maior parte dos produtores primários (algas unicelulares) e dos herbívoros (copépodos) são microscópicos. Estes herbívoros possuem a habilidade de remover completamente os autótrofos.
As cadeias alimentares aquáticas tendem a ser mais complexas e com mais níveis tróficos que as cadeias alimentares terrestres.

Ecossistemas Aquáticos Marinhos
Ecossistemas Oceânicos;
Ecossistemas Costeiros.

Geografia e geomorfologia dos oceanos
Os oceanos cobrem 71% da superfície terrestre. Em torno de 61% do Hemisfério Norte e 81% do Hemisfério Sul.
Os oceanos foram separados em: Oceano Pacífico, Atlântico, Indico, Ártico e Austral ou Antártico.
Existem ainda corpos d’água menores, que são chamados de mares (ex: Mediterrâneo, do Caribe, etc.) e possuem características oceanográficas distintas dos oceanos devido a uma circulação mais restrita.

Os continentes formam as margens laterais das bacias oceânicas. Partindo da terra, as principais divisões geomorfológicas encontradas são:
Costa (Parte da terra firme em contato com o mar e modificada pela ação deste);
Plataforma continental (Área contígua à costa, possuindo uma inclinação pouco acentuada);
Talude continental (Inicia-se onde a plataforma continental sofre um aumento na inclinação);
Elevação continental ou Sopé continental (Segue-se ao talude, onde diminui novamente a inclinação);
Fundo Abissal ou Planície abissal (A inclinação é mínima e podemos encontrar várias feições topográficas: Cordilheiras mesoceânicas, fossas oceânicas, montes submarinos, ilhas vulcânicas, vales e cânions).

Divisões do Ambiente Marinho
O ambiente marinho pode ser dividido em dois grandes domínios:
Bentônico, que compreende a totalidade do substrato oceânico,
Pelágico, que corresponde à massa d’ água total situada acima do leito submarino.

Horizontalmente, o ambiente pelágico pode ser dividido em:
Nerítico (acima da Plataforma Continental).
Oceânico.

Verticalmente, ele pode ser dividido quanto a penetração de luz:
Zona fótica, eufótica ou epipelágica (iluminada, onde ocorre fotossíntese).
Zona Afótica (sem luz suficiente para fotossíntese).

A parte pelágica da zona afótica pode ser subdividido verticalmente:
Mesopelágica;
Batipelágica;
Abissopelágica;
Hadopelágica.
No caso dos organismos bentônicos, estes podem viver nas zonas:
Entremarés ou Litoral;
Sublitoral (Plataforma Continental);
Batial;
Abissal;
Hadal.

Produção Primária

A produção primária é fundamental para a sustentação de todas as formas de vida na natureza e para a estruturação de todos os ecossistemas, pois através desse processo viabiliza-se fluxos de energia e matéria entre o mundo abiótico e os organismos vivos.

No mar, a atividade fotossintética é realizada por diversos tipos de organismos, entre eles:
Fitoplâncton.
Cianobactérias.
Microalgas bentônicas.
Macroalgas.
Plantas vasculares.
Associações simbióticas envolvendo algas (zooxantelas, presentes nos corais).

A produção primária anual média de águas costeiras é superior àquela observada em águas oceânicas, devido às maiores concentrações de nutrientes.
As regiões costeiras contribuem com 90% do total da produção pesqueira mundial.
Várias espécies de valor comercial estão sendo sobrexploradas!!!

Ecossistemas Costeiros

Entremarés (Região localizada entre o nível mais alto das marés até o mais baixo das marés, portanto, sujeito a ação das marés).

Condições Ambientais do entremarés

As marés afetam os organismos, pois parte do tempo ficam expostos ao ar e depois submersos, agindo sobre o relógio biológico dos organismos.
As altas temperaturas podem causar dissecação dos organismos expostos ao sol.

As ondas podem agir:
Diretamente: efeito mecânico, spray salino.
Indiretamente: aumenta o oxigênio dissolvido e diminui a penetração de luz.

Salinidade pode variar bastante, devido a chuvas durante as marés baixas, nas poças de maré, etc.

Adaptações dos organismos ao entremarés

Resistência à perda de água
Procuram microhabitats (fendas, buracos, etc.).
Se cobrem com conchas, detritos.
Fechando as conchas.
Produzindo muco.

Estresse Mecânico.
Firmes no substrato.
Conchas resistentes e com formato simples.

Respiração
Órgãos respiratórios em cavidades.
Cavidade do manto funciona como pulmão.
Peixes do entremarés possuem guelras reduzidas e podem respirar pela pele (cutânea).

Alimentação
Geralmente se alimentam apenas na maré cheia, para não dessecarem.

Reprodução
Geralmente desova nas marés altas e larvas planctônicas.

Costão Rochoso ou Costa Rochosa
Densamente povoado com topografia variada e alta riqueza de espécies.
Zonação
Organismos habitam a faixa vertical onde estão mais adaptados a viverem.
Existem fatores físicos (ondas, temperatura, etc.) e fatores biológicos (competição, predação, herbivoria, assentamento larval) que atuam sobre os organismos.
Nas zonas superiores os principais fatores são os físicos e nas zonas inferiores os fatores biológicos.

Costa Arenosa
O que define as praias é:
Tamanho das partículas (grãos).
Ação das ondas.
Inclinação.
 
Ondas pequenas = grãos pequenos = pouca inclinação (Dissipativa).
Ondas grandes = grãos grandes = muita inclinação (Reflectiva).

Estuários
Um estuário pode ser definido como:
Um corpo de água costeira, semi-fechado, que tem uma conexão com o mar aberto, no seu interior a água do mar é misturada com a água doce proveniente de drenagem terrestre.

Características físico-químicas dos estuários
Salinidade
Grande variabilidade, pois as marés altas quando penetram no estuário levam águas com salinidades altas e nas marés baixas estas salinidades recuam devido ao aporte de água doce continental.
O substrato apresenta variações menores de salinidade quando comparado com a coluna d´água.

Substrato
A baixa energia favorece a deposição de partículas finas (silte/argila). Estes substratos possuem uma grande quantidade de matéria orgânica, vindos tanto do continente como do mar.

Temperatura
Varia mais que nas regiões adjacentes, por ser um volume de água menor e mais raso.

Ação de ondas e correntes
Por ser um local abrigado e raso, a ação das ondas é mínima, as correntes de maré e o fluxo dos rios são as principais correntes dos estuários.

Turbidez
É grande nos estuários, devido a grande quantidade de material em suspensão, limitando a produção primária fitoplanctônica.

Oxigênio
Na coluna d’água é abundante (ventos, profundidade rasa, fluxo dos rios, etc.), mas no substrato é limitada devido a alta quantidade de matéria orgânica e ação bacteriana.

Composição Faunística
Espécies marinhas, dulcícolas e estuarinas. Muitas espécies migram para os estuários procurando alimento, abrigo e área para reprodução. A diversidade é baixa devido as fortes variações ambientais, porém a biomassa é grande.

Ecossistema manguezal
O manguezal é um ecossistema costeiro, localizado no entremarés, característico de regiões tropicais e subtropicais.
É constituído de espécies vegetais típicas (mangues), além de micro e macroalgas, adaptadas à flutuação de salinidade.
Apresenta condições propícias para alimentação, proteção e reprodução de muitas espécies animais, sendo considerado importante transformador de nutrientes em matéria orgânica e gerador de bens e serviços.

Bens e Serviços prestados pelo manguezal
Fonte de detritos (matéria orgânica) para as águas costeiras adjacentes, constituindo a base de cadeias tróficas de espécies de importância econômica e/ou ecológica.
Área de abrigo, reprodução, desenvolvimento e alimentação de espécies marinhas, estuarinas, límnicas e terrestres.
Proteção da linha de costa contra tempestades.
Fonte de recreação e lazer, associada a seu alto valor cênico.
Fonte de alimento e produtos diversos, associados à subsistência de comunidades tradicionais que vivem em áreas vizinhas aos manguezais.

Recifes de corais
Comunidades construídas exclusivamente por atividade biológica de organismos que secretam carbonato de cálcio (corais, algas calcáreas e outros).
Embora os corais possam ser encontrados também em águas mais geladas é nos trópicos, entre as isotermas de 20o C, que eles conseguem se desenvolver melhor.
Existem dois tipos de corais:
Zooxantelados ou Hermatípicos (corais que produzem recifes; mais encontrados nos trópicos).
Azooxantelados ou Ahermatípicos (corais que não formam recifes, também são encontrados em áreas mais geladas).

Fatores Limitantes:
Temperatura
A temperatura média anual ideal é entre 23 – 25oC.
Profundidade
Acima de 50-70 metros de profundidade, sendo que se desenvolvem melhor em profundidades acima de 25 metros.
Luz
Importante fator, pois as zooxantelas necessitam de luz para realizarem fotossíntese.
Salinidade
Os corais não toleram salinidades muito baixas, o ideal é entre 32-35 (ups ou %o).
Sedimentação
Não toleram locais com alta turbidez, pois prejudica a fotossíntese e a captura de alimento.
Ação de ondas
Se desenvolvem melhor em locais com ondas moderadas. As ondas trazem oxigênio, evita a sedimentação e renova o plâncton.
Exposição ao ar
Não toleram muito tempo a exposição ao ar.
Estrutura dos Corais
Filo Cnidaria, Classe Anthozoa.
A maioria é colonial, porém cada indivíduo é um pólipo.
O esqueleto de carbonato de cálcio é externo.
Alimentação
Os corais são carnívoros, usam seus tentáculos com nematocistos para capturar zooplâncton á noite, porém esta alimentação só corresponde a 5-10% do total, o restante é produzido fotossinteticamente pelas zooxantelas e transferido para os pólipos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário